Saude
Colchões ortopédicos. Uso de colchão ortopédico.

Colchões ortopédicos. Uso de colchão ortopédico.

O colchão, independentemente do seu “desenho”, difere da cama rígida habitual por ser capaz de se dobrar com o peso de uma pessoa. Portanto, em princípio, qualquer colchão tem um efeito ortopédico em um grau ou outro. Mas até que ponto ele tem um efeito benéfico em nosso descanso e sono depende de muitos fatores.

Com base nisso, nem todos os produtos modernos que se vendem em salões de dormir podem ser classificados como “ortopédicos”, embora os colchões velhos, que são bolsas de tecido plano recheado com algodão, praticamente não existam.

Qual é a diferença? O “Melhor Colchão Ortopédico” faz mais do que apenas apertar sob nosso peso, formando um “fosso” no centro da cama. É caracterizada por uma certa rigidez e elasticidade, portanto sua deflexão é insignificante, pois a estrutura distribui uniformemente a carga atuante por toda a área. Além disso, segue na íntegra os contornos do corpo, mantém a coluna num estado de relaxamento, alivia eficazmente todo o cansaço acumulado durante o dia e promove um bom descanso.

Portanto, não descobriremos onde encontrar esses produtos, mas qual modelo entre análogos não menos atraentes deve ser considerado o melhor. Para quem ou para quê? Cada um de nós tem seus próprios problemas de saúde e preferências sobre como descansar. Portanto, a escolha de um colchão ortopédico requer uma abordagem individual.

Considere as características do seu dispositivo e as principais características, pois apenas o seu conhecimento nos permitirá determinar a melhor opção para uma determinada pessoa.

Existem 2 variantes de execução, cada uma das quais será avaliada do ponto de vista da facilidade de uso.

Sem mola

Um design bem conhecido, que é uma tampa com enchimento no interior.

Os colchões de molas, ao contrário dos colchões de molas, são mais rígidos. O preenchimento nelas é o mais diverso, havendo diferenças tanto no número de camadas quanto na espessura.

Carregado com mola

Na verdade, esta é uma versão pré-fabricada, cuja estrutura é uma estrutura multicamadas coberta por uma tampa: um bloco de molas – uma capa dura – um enchimento. Existem dois tipos de colchões – com molas interligadas e com outras independentes. No primeiro caso, seus grupos separados estão entrelaçados uns com os outros, no segundo – não.

Existe outra diferença entre eles. Nos modelos com molas “dependentes”, elas têm menos de 1 m2, mas o diâmetro de cada uma é maior (até 10 cm). Para fabricação e o fio é mais espesso (com uma seção transversal de 2 – 2,2 mm). Vale a pena considerar que todas essas opções têm um efeito ortopédico menor.

As construções do tipo “independente” são caracterizadas por um grande número de molas, mas são menores em diâmetro (não mais do que 5,5 cm), e para elas é utilizado arame mais fino (cerca de 1,8 mm). Cada um desses grupos é colocado em sua própria “caixa”, e todos esses “conjuntos” são fixados juntos. Qual é a vantagem? Na distribuição de carga pontual. Esse colchão segue todos os contornos do corpo sem alterar sua geometria no resto da superfície.

Existem também vários projetos de tais grupos de molas pré-fabricadas. Por exemplo, uma opção quando um menor é colocado em uma mola. Ou aumentando o número de grupos em 1 m² com diminuição simultânea de seus diâmetros.

Tamanhos de colchões ortopédicos

A questão está longe de ser simples.

Primeiro, existem tamanhos típicos que são mais comuns (em “cm”). Largura 120 – 160, comprimento de 180 a 200, espessura de 3 a 15. No entanto, vários modelos com excelentes parâmetros lineares também estão disponíveis para venda. Na hora de comprar, é preciso focar no tamanho da cama e levar em consideração que a diferença nas dimensões e no colchão não deve ultrapassar 2 mm (valor recomendado) de cada lado.

Em segundo lugar, nem todos os países usam, como a Federação Russa, o sistema métrico de medidas. Portanto, olhando para a etiqueta de preço que indica os tamanhos, você precisa prestar atenção em como eles são expressos – em “cm” ou “polegadas”.

Case

A melhor opção se for feito de material natural (linho, algodão ou outro). Essa cobertura é capaz de passar o ar e permite que o enchimento “respire”. Se também contiver fibras sintéticas, sua participação não deve exceder ½ da massa total. Os especialistas não recomendam a compra de colchões, cuja cobertura é feita de apenas um material artificial. Eles afetam negativamente nossa saúde.

O melhor é uma combinação de sintéticos (30%) e algodão (70%) – jacquard. Mas opções como “flock” são inaceitáveis, até porque tal tampa veda completamente toda a montagem e o material de enchimento não “respire”.

Colchões ortopédicos de vários fabricantes são apresentados no mercado Brasileiro. O sortimento é tão grande que não faz sentido listar todos os modelos – o “tratado” sobre eles será impressionante. Portanto, iremos observar apenas as marcas mais acessíveis (categoria de preço médio) – “Mediflex”, “Askona”, “Ormatek”, “Atlas”.

A gama de preços também impressiona. Os mais comprados são modelos que custam de 3 a 10 mil rublos, embora também existam colchões à venda, cujos preços indicam 25.000 e 40.000 rublos. Mas esses já são produtos que não são projetados para o consumidor de massa, uma vez que poucos de nossos compatriotas ficarão lisonjeados com tais produtos.

Filler

Existem muitos tipos de materiais que são utilizados na fabricação de colchões ortopédicos. Não faz sentido listar tudo, principalmente porque não há tantos deles para modelos do segmento de preço orçamento. São principalmente espuma de poliuretano, látex, fibra de coco, feltro, rebatidas, lã e vários outros.

Ao escolher um ou outro tipo de preenchimento, é preciso levar em consideração a predisposição da pessoa a alergias. A que seu corpo reage dolorosamente? Por exemplo, algumas pessoas são desaconselhadas a dormir em colchões de crina.

E se não houver problemas com alergias, o tipo de enchimento não desempenha um papel especial.

Elasticidade

De acordo com este parâmetro, todos os colchões ortopédicos são divididos em 3 categorias.

  • Resistente. Via de regra, são produtos sem mola. O enchimento é coco, às vezes com adição de látex. Mas esses colchões só devem ser usados ​​por recomendação do seu médico.
  • Dureza média. Podem ser com ou sem molas. As opções comuns para preenchimento são espuma de poliuretano, látex, spunbond.
  • Suave. Apenas com molas; no interior, na maioria das vezes materiais naturais (feltro, lã ou outra coisa).
    Você também precisa prestar atenção ao número de camadas. Deve ser dada preferência a colchões com várias “zonas de dureza”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *